sexta-feira, novembro 23, 2007

LISBOA: POLÍCIA MUNICIPAL PATRULHA BAIXA-CHIADO COM "SEGWAYS" E VEÍCULOS ELÉCTRICOS

Por ACL Lusa/Fim

A Polícia Municipal de Lisboa tem a partir de hoje quatro "segways" e três automóveis eléctricos para patrulhar a zona da Baixa e do Chiado, veículos cuja utilização a Câmara pondera alargar a outras áreas da cidade.
Os veículos, "amigos do ambiente", movidos a energia eléctrica, foram hoje oferecidos à Polícia Municipal pela Agência da Baixa-Chiado.

O presidente da Câmara, António Costa (PS), sublinhou que os veículos são "um contributo para reforçar a segurança do comércio na Baixa e no Chiado", depois da pintura de passadeiras e limpeza daquela zona.

Esta também é uma forma de a Polícia Municipal testar a utilização destes veículos, que poderão depois ser usados noutras áreas comerciais da capital. Segundo António Costa, as zonas da "Avenida de Roma, Guerra Junqueiro e Campo de Ourique" são algumas onde a utilização daqueles equipamentos faz sentido.

O comandante da Polícia Municipal, André Gomes, referiu que os veículos "dão uma mobilidade muito maior aos agentes" além de, no caso dos "segways", lhes permitirem "observar melhor à distância os delinquentes".
"O baixo torna-se alto", disse.

Os veículos custaram cerca de 75 mil euros, segundo disse aos jornalistas António Amaral, da Agência da Baixa-Chiado. Os veículos têm uma autonomia de cerca de 30 quilómetros, podendo ser carregados com facilidade, através de uma "ficha eléctrica igual à de qualquer computador", acrescentou. Os "segways" atinguem os 20 quilómetros/hora e os veículos os 40 quilómetros/hora.

1 comentário:

Helder Gomes Silva disse...

O estranho desta noticia é o que não está dito. Os segways e os automóveis electricos são da Agência Baixa-Chiado e foram emprestados á policia Municipal. No entanto o dinheiro para a compra dos veículos foi dado pela C.M.Lisboa à Agencia Baixa Chiado. Na realidade, deu mais do que os 75.000€. Foram 95.000€. Assim, nõ vejo como pode existir ainda dinheiro nna Câmara. Se continuar o desperdicio de dinheiro, nada vai resultar.