domingo, maio 28, 2006

CULTURA EM ALFAMA


Para além das casas de Fado não existe qualquer oferta cultural sistematizada e permanente em Alfama.

Soluções:
- É necessário colocar placas de sinalização em Português e Inglês para facilitar o acesso e a divulgação de todos os pontos de interesse;
- Falta promover os percursos da Muralha Fernandina e da muralha da "Cerca Moura" City Walks, até ao Castelo de São Jorge;

É importante elaborar um Guia de Alfama com os monumentos e o património de Alfama, nomeadamente:
- Castelo de São Jorge;
- Museu do Fado e da Guitarra Portuguesa;
- Museu do Teatro Romano;
- Casa dos Bicos (1523-1983);
- Convento de S. Vicente de Fora;
- Panteão nacional;
- Igreja de Santa Engrácia;
- Igreja de Santo Estêvão;
- Igreja de São Miguel;
- Igreja de Santo António;
- Sé Catedral de Lisboa;
- Museu das Artes decorativas;
- Fundação Ricardo Espírito Santo Silva;
- Rua da Judiaria, onde outrora existiu a Sinagoga de Alfama;
- Institutos de Artes e Ofícios;
- Palácio de S. Vicente de Fora (recentemente recuperado com uma mostra única de azulejos Portugueses, desde o século XII)

Seria interessante divulgar no Guia de Alfama outros agentes culturais de Alfama, por exemplo:
- As galerias de arte;
- Os espaços com acesso à Internet;
- O Fado no eléctrico 28;
- Aproveitar o espaço público da Estação de Sta. Apolónia para promover a zona histórica e a cidade em geral, entre outras ideias.

  • Igreja de Santa Engrácia e Panteão Nacional

  • Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva

  • Patriarcado de Lisboa

  • Museu Militar

  • Colectivo Multimédia Perve
  • 1 comentário:

    Margarida Branco disse...

    Acho importante esta dinamização. Tenho programada uma actividade que irá ao encontro desta necessidade, e gostaria de divulgá-la: Um passeio sobre o livro O Último Cabalista de Lisboa, de Richard Zimler. Esta actividade insere-se no âmbito do site www.lerporai.com